image

Avaliação do método de Ultracavitação na redução de gordura localizada em mulheres

  • Ciências da Pele
  • 134
Introdução

A pele é um órgão que reserva toda a área sensorial e apresenta várias funções, dentre elas, a conservação da homeostasia e a regulação da temperatura e pode ser dividida em derme e epiderme. A derme apresenta-se maior que a epiderme, com estruturas responsáveis pela sua elasticidade, resistência, nutrição e oxigenação em ambas as camadas. Constituída por fibras de colágeno, elastina e reticulares que conferem a pele a capacidade de distender quando tracionada, voltando a se reposicionar ao cessar a tração. A epiderme apresenta diferentes camadas como o estrato córneo, estrato lúcido, estrato granuloso, estrato espinhoso e o estrato germinativo ou basal (FERNANDES et al., 2012).

Alguns estudos não consideram a hipoderme como parte da pele, e sim uma camada independente de células adiposas (lipídicas) localizada abaixo da derme, ricamente vascularizada atuando como reserva de calorias (energia), isolante térmico e protegendo contra traumas físicos (JUNQUEIRA & CARNEIRO et al., 2012).


Os adipócitos localizam-se na hipoderme e apresentam algumas funções, entre elas o armazenamento de energia em forma de gordura. A alimentação desequilibrada associada ao estilo de vida sedentário faz com que o organismo promova a hipertrofia e a multiplicação destas células.

A lipodostrofia gordurosa, ou celulite, é a designação comum para a gordura que se acumula na hipoderme, formando depressões em zonas como as coxas, nádegas, abdome e braços. É um problema estético que tende a verificar-se em cerca de 90% das mulheres (EXPOSTO et al., 2007). As causas mais comuns da lipodistrofia gordurosa são o sedentarismo, uso de anticoncepcionais, patologia venosa ou linfática entre outros (RIBEIRO et al., 2006).

O acúmulo de gordura nesse tecido provoca a alteração do tecido conectivo, onde se observa uma excessiva polimerização dos mucopolissacarídeos, o que aumenta a retenção da água, do sódio e do potássio, aumentando a pressão intersticial gerando compressão das veias e dos vasos linfáticos. O tecido mostra degeneração das fibras elásticas, proliferação de fibras colágenas, hipertrofia das adiposidades e edema (GUIRRO E GUIRRO et al., 2002).

Já a gordura localizada é o que sobra após o emagrecimento. São depósitos resistentes ao emagrecimento, codificados geneticamente, e que mantêm as características familiares. Existem dois tipos de depósitos de gordura: depósito geral (mobiliza–se facilmente) e depósito hereditário (resistente ao emagrecimento). Não é uma questão de peso e sim da distribuição da gordura que apresenta o metabolismo lipolítico alterado (GUIRRO E GUIRRO et al., 2002; EXPOSTO et al., 2007).

Como a pele constitui uma barreira poderosa para a proteção do organismo contra agressões, ela também dificulta as ações superficiais na tentativa de mobilização dessa gordura armazenada (PEREDA et al., 2009).

A síndrome da desarmonia corporal (SDC) é denominada como o conjunto de alterações estéticas, como a fibroedema geloide (FEG), adiposidade localizada, aumento de gordura corporal total e flacidez muscular. Essas alterações estéticas causam grande impacto na imagem corporal das mulheres, que são fortemente influenciadas pela mídia; como estão quase sempre associadas, aos tratamentos estéticos devem considera-las conjuntamente, a fim de promover ou manter a harmonia corporal (MACHADO et al., 2011).

Com o avanço tecnológico da Medicina Estética, hoje o mercado apresenta equipamentos capazes de produzir lipólise, além de melhorar a textura e modelagem corporal (lifting tecidual).

O ultrassom pode se apresentar em altas e baixas frequências e potencias, consequentemente pode ter diferentes efeitos no tecido a ser tratado. Quando o ultrassom se propaga, o material torna-se compactado. Assim, as ondas de pressão entram no meio e se expandem novamente quando saem. Em tecidos vivos, estas repetidas compressões e rarefações podem causar bolhas microscópicas em forma biológica de fluidos que crescem em tamanho e oscilam até que implodem. Altas temperaturas podem ocorrer dentro das bolhas e as forças geradas pelo colapso das bolhas podem causar a morte celular através de processos mecânicos. O processo pelo qual pequenas bolhas em um líquido são forcadas a oscilar na presença de um campo sonoro e chamado de cavitação não-inercial ou estável. No entanto, quando um volume de liquido e submetido a uma pressão suficientemente baixa, pode ocorrer o rompimento da bolha, sendo consequência deste efeito a cavitação instável. Este processo mecânico e produzido por equipamentos de ultrassom em altas potencias ou em baixas frequências e associado as altas temperaturas produzidas pelo fenômeno de cavitação que são suficientes para destruir o tecido focalizado, mas existe a grande vantagem de que o tecido circundante tratado permanece inalterado. Os efeitos da cavitação no tecido têm aplicações terapêuticas, mas ainda pouco estudadas e, às vezes, estes efeitos podem ser imprevisíveis e difíceis de controlar. Observando que a respeito desse assunto há poucas informações e que a deposição de gordura na região abdominal vem sendo considerada como grave fator de risco cardiovascular, este estudo se propôs a verificar o efeito da ultracavitação no  tecido adiposo em coelhos, observados a partir de análise histológica (MEYER et al., 2012).

Vale salientar que esta terapêutica está contraindicada aos pacientes portadores de qualquer disfunção hepática, devido este sistema ser uma das vias de metabolização do adipócito. O prognóstico clínico desta terapêutica varia entre cinco a oito sessões, obtendo resultados clínicos entre 3 a 5 cm de diminuição na circunferência da área tratada. Com intuito de melhorarmos os resultados obtidos com a ultracavitação, recomenda-se que o paciente realize uma atividade aeróbica até 12 horas após o procedimento, além  de hidratação. Este procedimento deve  ser realizado com intervalos no mínimo de 72 horas, 2 vezes por semana

Portanto, estes métodos estéticos de redução de gordura localizada, podem ser mais uma alternativa, como procedimento não invasivo, com maior acessibilidade na atualidade, para tratamento de uma das maiores queixas femininas, a gordura localizada.

 

Métodos


Foram avaliadas 30 mulheres voluntárias, na faixa etária de 30 a 45 anos, saudáveis, sedentárias, com avaliação clínica de gordura localizada da região infra abdominal. As voluntárias foram submetidas a 12 sessões de tratamento estético na região infra abdominal para redução de gordura localizada, uma vez por semana, na clínica do Centro Universitário Padre Anchieta. Para o tratamento, foi utilizado o aparelho de lipocavitação, da marca Lipoline Plus, 60w, 45KHz – 3KHz.


As voluntárias foram divididas aleatoriamente em dois grupos:


Grupo A: lipocavitação com gel neutro;

Grupo B: lipocavitação com gel neutro, seguida de 20 minutos de caminhada em esteira.

A duração do tratamento com o aparelho de lipocavitação foi de 30 minutos por sessão.

Para as voluntárias do grupo B, a determinação da intensidade da caminhada, foi realizada utilizando 42 a 56% da frequência cardíaca de reserva (LIMA-SILVA et al., 2008).

Antes do início das sessões de tratamento, bem como ao final das 12 sessões, foram realizadas as seguintes avaliações:

a)       Registro fotográfico por câmera digital, para obtenção de registro da região a ser tratada;

b)    Determinação da circunferência infra abdominal, com fita métrica, de acordo com o protocolo de MARINS & GIANNICHI et al., 2003: “dois dedos abaixo da cicatriz umbilical’’

c)    Para medir a satisfação pessoal e subjetiva das voluntárias serão utilizados parâmetros como MUITO SATISIFEITA, SATISFEITA, INDIFRENTE, INSATISFEITA E MUITO INSATISFEITA.

Além dessas avaliações, também foi realizada a determinação da quantidade de glicerol em amostras de urina das participantes. Essa avaliação foi realizada na primeira sessão semanal da primeira e última semana de tratamento. Nesses dias as pacientes coletaram a primeira amostra de urina do dia, e a primeira amostra de urina após a sessão de tratamento.

O glicerol produzido foi medido através de reações catalisadas pelas enzimas glicerol quinase, glicerol fosfato oxidase e peroxidase (utilizando o kit de leitura de triglicerídeos da Laborlab, SP, Brasil).

O glicerol é fosforilado pela adenosina trifosfato (ATP) formando glicerol-1-fosfato e ADP, nesta reação catalisada pelo glicerol quinase. O glicerol-1-fosfato é então oxidado pelo glicerol fosfato oxidase em fosfato de diidroxiacetona e peróxido de hidrogênio. A coloração é então produzida pela reação catalisada pela peroxidase.

Aliquotas de10 mL de urina foram pipetadas dentro de wells de uma placa de Elisa e após a reação com o reativo de trabalho do kit será feita a leitura da concentração de glicerol através de um leitor de Elisa em comprimento de onda de 540 nm (CREGE et al., 2007).

Todos os dados obtidos foram analisados com as ferramentas estatísticas apropriadas, usando o programa estatístico Bioestat 5.3 (Instituto Mamirauá, Brasil). Os resultados são apresentados como razões de chance com um intervalo de confiança de 95%. As diferenças foram consideradas estatisticamente significativas quando £ 0,05.


Conclusão

O aumento da deposição de gordura da região abdominal atinge grande parte das voluntárias da faixa etária do estudo e a insatisfação corporal predomina. O tratamento corporal visou diminuir esta insatisfação e neutralizar a pressão de padrão de beleza exercida na sociedade.

A análise estatística, de modo geral, apresentou relevância significativa nas aferições da região infra abdominal.

O uso da ultracavitação associado à esteira ou não teve um resultado relevante e ambos proporcionarem uma grande satisfação pessoal com o tratamento proposto.

A medida do glicerol nas amostras de urinas das voluntárias, não apresentou resultado estatisticamente significativo e este resultado deve ser melhor investigado em função dos relatos de literatura, assim como a ultracavitação acompanhada de exercícios físicos.